PARTICIPANTES

 

1- Luiz Gilberto de Barros- Luiz Poeta
2- José Ernesto Ferraresso
3- Marcial Salaverry
4- Zeca Feliz Avelar
5- Humberto-Poeta
6- Maria de Fátima Delfina de Moraes
7- Nelson Carvalho
8- Maria Olga de Oliveira Lima
9- José Hilton Rosa
10- Alceu Sebastião Costa
11- There Válio
12- Isabel C S Vargas
13- Osmarosman Aedo -2.000 e (ainda) Nós
14- Clara da Costa
15- Nilza Stringhetta Rossi

16- Eri Paiva
17- Sonia Nogueira
18- Vitória Lynn
19- Malu Otero
20- Mónica Urzúa
21- Ógui Lourenço Mauri
22- faffi (Silvia Giovatto)
23- Marinez Stringhetta/Mara poeta
24- Gislaine Canales
25- Márcia da Costa Larangeira
26- Eline Santos
27- Mifori
28- José Verdasca
29- Eugénio de Sá

 

 

 

OLHOS INFANTIS

Luiz Poeta
Luiz Gilberto de Barros
às 20 h e 55 min do dia 14 de janeiro de 2015 do Rio de Janeiro

Quando o olhar de uma criança denuncia
O abandono, a solidão e o sofrimento,
Torna-se inútil transformar esse momento
Num sentimento que alguém chame de poesia.

Quando o amor passa a ser só filosofia,
À revelia do que sinta um coração,
Por ironia, há quem nem dê muita atenção
A esse olhar que tem a dor por moradia.

Mas no instante em que eu me torno esse menino
Há nos meus olhos, esse olhar tão pequenino,
Que apesar da dor, conserva a esperança

De que o mundo tenha olhos infantis
E que se alguém pensa em tornar alguém feliz,
Veja o que diz o coração de uma criança.
Veja o que diz o coração de uma criança.

 

 

OLHAR SOFRIDO

José Ernesto Ferraresso

Quando o olhar vem de uma criança,
Seus olhos nos revela sofrimento.
Sempre está à espera da bonança,
Penoso suportar este momento.

Ao olhar este rosto angelical,
Vemos uma lágrima rolar.
Queremos o bem e não o mal,
Na espera de alguém para amar.

Quando sinto em meu íntimo esta criança,
Que procura por amor e não desesperança,
Procuro fazer o bem sem olhar a quem.

Desejo que um dia ela consiga vencer ,
Que sinta confiança e viva com prazer,
Lute e realize aquilo que ela almeja.

Serra Negra

15/01/15

 

 

UMA CRIANÇA DE TRISTE OLHAR

Marcial Salaverry

Uma criança na rua chorando,
seu olhar triste está denunciando
que algo a estará incomodando...
O triste olhar fala de suas penas,
e suas lágrimas podem ser apenas
por sua vida plena de tristeza
que tira de seu olhar a beleza...

Podem ser por alguma ânsia,
que não deveria incomodar a infância...
Ou pode ser alguma artimanha,
para ser atendida em sua manha...

Na verdade, sente-se abandonada,
elos seus desprezada,
e vive ao Deus dará, perdida na rua...
Não sabe o que fazer na vida que continua
sempre a maltratando,
e ela segue pela rua caminhando,
buscando um lar que a possa acolher,

para de fome não morrer...
Muitas perdas ainda terá,
mas logo se acostumará,
e não mais chorará...
Poderá outras lágrimas verter,
se outras coisas no futuro perder...

 

 

OLHAR VAZIO

José Carlos Avelar

Zeca Feliz

Ainda que o viver seja uma dualidade
em que o bem e o mal sejam ua moeda só
como deixar de olhar e sem sentir um nó
de uma Criança nos dizendo a verdade

De que o que enxerga é mais que desafio
para a Sociedade de quem ela depende
e até para qualquer Poesia que a defende
na imensidão do seu triste Olhar Vazio

Nem o chorar foi pela Criança assimilado
ou mesmo a culpa que tem sem ter pecado
pois o vazio do seu olhar diz mais que tudo

Ah – se as lágrimas pudessem abrir as vistas
da Sociedade que a se consumir por egoístas
se mostra insensível diante do olhar distante

De cada Criança que sem Amor relegada
mostra o seu olhar mais vazio que o nada
até que o Homem no coração o Amor plante

Zeca Feliz Avelar – 16/jan/2015 – 18:38 hs – gaDs!

 

 

TROVA A UM OLHAR TRISTE

Humberto - Poeta

Revolvo da mente o cofre,
mas não entendo o que é isto…
no olhar do infante que sofre,
eu vejo o rosto do Cristo!

 

 

Olhar Infantil

Maria de Fatima Delfina de Moraes

Olhar intrigante, sorriso matreiro.
Planejas arte com doçura
- sua melhor parte.
Movimentos sutis, abraço pueril.
E o teu desejo compactuou com o meu.
Agora, somos ternura!

 

 

OLHOS INFANTIS
Nelson Carvalho

Sim, versejar nunca quis,
porque olhos existem tanto,
mas teus OLHOS INFANTIS,
são há muito meus encantos!

 

 

OLHAR...
Maria Olga de Oliveira Lima

Ao ver o mal se alastrando...
Invadindo casas... contaminando infantis mentes,
Sinto que a humanidade
Perde a calma... deixa de ser gente...

Devagarinho vai deixando
O correto Caminho pela droga, embriaguez
Deixa de amar
E qualquer animal pode ocupar o seu lugar.

Vamos acordar
E nos cuidar mais!!
Buscar em Jesus, o Caminho
Para Muita Luz, Felicidade... Paz...
Antes que tudo em nosso Mundo
Se transforme em trevas, caos...
Lamentos e Aisss...

 

 

OLHOS INFANTIS
José Hilton Rosa

Tristes e desconhecidos olhares
escuro nos olhos claros e vivos
mostrando o tempo de renúncia amorosa
perdão para os incrédulos rancorosos perdidos na vida
olhos infantis, orgulho de quem ama
amor de pais e humanos com vida.

 

 

A ESQUINA E A SUA DOUTRINA

Alceu Sebastião Costa

O sonho daquela menina não vai além da esquina.
Na esquina nasceu...A morte a esqueceu...
Então, sobrevive. Na esquina. Pequenina.
Debaixo da chuva fina, com requebros, lá vai ela.
Cintura fina, sonha ser cinderela. Até reza...
Na capela, Igreja pequenina, na esquina...
Que a viu nascer, a vê crescer e o pouco lhe ensina.
Leal à doutrina, preservativo ela abomina.
Hoje, feliz, continua sonhando com o sapato de cristal.
Amanhã, provavelmente, a manchete no jornal:
MORRE DE AIDS, NA VELHA ESQUINA,
ONDE SEMPRE VIVEU,
A PROSTITUTA “CINDERELA-MENINA”.

 

 

LÁGRIMAS NO OLHAR INFANTIL

There Válio

Um rosto inocente
Olhar infantil tristonho...
Onde lágrimas banham seu rosto,
Denunciando a fome e o abandono.
Tão pequenino e com a triste carga...
De uma vida sem eira nem beira,
Perembulando pelas ruas sem destino,
Pois não sabe sequer de onde veio,
Sem pais, sem lar, sem comida.
A fome obriga a pedir...
Suas mãozinhas tão frágeis imploram,
Uma ajuda ou um pedaço de pão.
Mas na multidão apressada,
Ninguém parece notar
O apelo desse olhar infantil,
Que ali não merecia estar.
Toda criança tem o direito de ter
Uma vida saudável e feliz...
Que no seu rostinho inocente
O sorriso substitua a dor,
E nos olhos desse pequeno ser,
As lágrimas não brotem jamais!

 

 

Olhos Infantis

Isabel C S Vargas

Criança, olhar puro e angelical
Vê o mundo com inocência
Alegria e amor abrangente,
Sua vida, um mar de esperança.

 

 

Olhos Infantis
Osmarosman Aedo -2.000 e (ainda )Nós

Destranco-me de alguns depois
Com imponente intenção
De que meus ontens,
Têm total razão em esclarecer ao meu adulto
Do quão especial é,
A lembrança de quando aqui,
Com muito orgulho enxerguei fantasias...
Desabafa-me a emoção
Que o melhor de meus dias,
Não foi esquecido entre
Acreditar ou não em contos-de-fada,
Mas sim, na exatidão de como eram contados
Depois da oração antes do sono.
Foram meus, estes olhos de tão doces infantis,
De onde detenho as imagens da infância
Que jamais permitirei voltar-se ao, este, AGORA.

 

 

Olhos Infantis
Clara da Costa

Seu olhar infantil é triste,
melancólico
distante...
Um olhar que pede,
carinho,
amor,
atenção,
proteção.
Olhos que dizem:
Eu estou aqui!!!!

Sem educação, sem uma vida digna,
prá ela e sua família,
vivem nas ruas...na sua pseuda liberdade,
cada dia à espera do nada.

Os abandonados do amor,
Os abandonados da vida,
Que Deus os proteja!

 

 

Olhos Infantis
Nilza Stringhetta Rossi

Os olhos são as janelas da alma
Reveladores
Das doenças, alegrias e tristezas
Das mentiras e tudo o mais.

As crianças, sinceras por natureza
O que são põem-se à mesa
Feliz aquele que sabe interpretar
A criança pelo seu olhar.

Visto que, o medo da descoberta encobre
Da criança o mundo em alerta
A criança sofre mazelas, sozinha
Não conta nem para a avozinha.

A criança, devagar vai perdendo seu eu verdadeiro
Encobrindo-o por inteiro
Aprendendo da vida sofrida seu lado peculiar
Saber mentir e se safar

A criança não sabe fazer das dificuldades alavancas
Ela contorna o rio de tempestades
Esconde-se dentro de seus olhos
Fugindo das maldades.

 

 

OLHOS INFANTIS
Eri Paiva

Machuca-me o peito, e quanto, olhar
Os teus olhinhos assim ensombrados,
Como se estivessem de fato, a ocultar
Poços de dor, momentos amargurados.

Por que tanta tristeza, minha criança?
O que oprime teu coração pequenino
Na denúncia de teu olhar, meu menino?
O que? Desejo, Saudade, Lembrança?

Deixa-me ser teu tapete de esperança!
Abro-te o coração, deite em confiança,
Teus anseios, receios, medos o que for.

Há quem contigo e... comigo se importa!
Tu és a chave com a qual reabro a porta
D'um voluntariado que fiz com tanto amor!

 

 

Olhos Infantis
Sonia Nogueira

Ao ver-te assim tão triste e solitária,
de olhar sombrio inda que haja sol,
vi na tua imagem descalça, sem sandália,
buscando a luz ofusca de um farol.

A tristeza rondava cabisbaixa
na hora que a luz do sol dormia,
teus olhos castanhos em tom de queixa,
rezava com o ângelus a Ave Maria.

Pobre criança que veio sem pedir
será da vida musa sem orquestra,
e da agonia silêncio que liberta.

O mudo é bom, mas cria com maldade,
alerta na defesa e guarda a lealdade,
nos olhos infantis mira o porvir.

 

 

Olhar Infantil
Vitória Lynn

O olhar de uma criança
Pode expressar: caridade, benevolência, encantamento,
Por tudo isso ser, amor o próximo à natureza
E ao ambiente em que vive...
Mesmo sem ter uma compreensão exata
Sobre tudo que a circunda: destruição, maldade, e inversão de valores,
É capaz de nos surpreender oferecendo o melhor de si
Para tentar reverter qualquer situação,
Que faça de seu mundo tão inexplicavelmente doente,
Em um mundo melhor.

 

 

MUNDO INFANTIL AMEAÇADO
Malu Otero

Olhos que pedem e que comovem...
Queria que os sonhos não se nublassem,
Que intactos sempre se mantivessem
E já não houvesse balas perdidas,
Ou castigos impiedosos e cruéis.

Mas a realidade não dá a todos
As mesmas oportunidades.
Como numa roleta os destinos,
Muitas vezes embaralhados,
Se cruzam e nem sempre
Os sonhos são preservados.

Dão adeus à inocência,
Na vida acabam mutilados,
Opacados pela violência:
Mundo infantil ameaçado.

 

 

OLHOS INFANTIS
Mónica Urzúa

Teus olhos de criança
são rios de inocência
que abraçam meu olhar.
Criança, doce criança!
me deixe entrar na música
que brilha de teus olhos
e me faz sonhar...
Criança, doce criança!
aceite meu abraço,
vamos cantar e dançar...

 

 


OLHOS INFANTIS
Ógui Lourenço Mauri

Pobre infância esquecida num canto,
Dos mais pobres da rica cidade!
Esse quadro nos revela o quanto
Fica ausente a fugaz "Sociedade".

Desde os tempos de Mestre Jesus,
Irmão deve ajudar, sim, os seus!
E essa prática é archote de luz,
Rumo ao Alto, a caminho de Deus.

Ah, guri de aflitiva mirada,
Um retrato fiel da miséria!
Tens os olhos tão tristes, mais nada...
"Sociedade" não é coisa séria!

Eu te peço perdão, meu pequeno!
Em teus olhos, só hoje me ative.
Eu passava sem ver teu aceno
Com a cara de fome, inclusive.

Desse par d'olhos tão infantis,
Eu agora serei protetor.
Sou cristão, quero dar ao petiz
Uma dose de nítido amor.

 

 

Mal Sem Solução
faffi

Seus olhos faiscantes, pareciam dois pirilampos,
num pedido de ajuda, para o novo dia que ia nascer,
onde tudo poderia acontecer.

Eu me senti abalada,
por ver uma criança assim, desamparada...e,
não poder fazer nada, para mudar essa visão.

Enquanto seus pés caminhavam desordenados,
talvez, procurando uma guarita para a sua desilusão,
dos seus olhos vertiam lágrimas, saídas do coração.

Ah, como seria bom, se tudo fosse diferente,
se não existissem crianças carentes,
pagando por um mal, sem solução.

 

 

Olhos Infantis
Marinez Stringhetta/Mara poeta

Olhos infantis, puros,
Fiéis aos sentimentos
Não se desvirtuam pelo caminho
Não entendem de mágoas
Ou sofrem arrependimentos.

Quando quer, o olhar infantil
Segue uma direção
Às vezes vai pela contramão
Não importa quantas...
Curvas, retas, subidas, descidas...
Bate à porta do coração.

Se o caos se instala,
A criança observa e se cala
Respeita-se o sagrado momento
Em que a criança sai do casulo
Para uma vida de crescimento
Sabedoria e conhecimento.

 

 

Olhos Infantis
Gislaine Canales

São os olhos infantis,
olhos de maior pureza
que mostram em seu matiz
a verdadeira beleza!

 

 

OLHOS INFANTIS
Márcia da Costa Larangeira

A menina que habita a menina-dos-olhos meus
ensina-me ver a vida, com olhos infantis...
Fazem-me redescobrir a simplicidade da beleza,
observando que ainda há humildade na pureza.
Em seus olhos nunca houveram lágrimas
nem de angústia, nem de solidão,
nem aquelas, da dor de uma desilusão.
Quando não vejo saída, ela me faz fantasiar,
abrindo portas e janelas para que eu possa escapar
e ainda alimenta minha alma com seus sonhos,
chamando-me para a folia mesmo em dias tristonhos.
Ela me faz rir de coisas bobas e a perdoar com facilidade
porque me faz entender que toda alma infanto,
tem sua inviolável fragilidade.
Muitas vezes ela bate o pé e toma a autonomia
tirando-me do sério quando faz travessias,
só para mudar meu foco e me trazer alegrias.
Quanta sabedoria...

 

 

OLHOS INFANTIS
Eline Santos

Pela lágrima daquela criança
Pelo seu corpinho coberto por andrajo
Pela falta do alimento, por falta de uma cama...
Por todas crianças da calçada,
Pelo carinho e afeto.
E aquelas com mãos estendidas...
Descaso",(SOBRETUDO) de quem mais devia ver.
E eu vi, você menino...
Olhar lânguido, de esperança
Olhar-me do portal. Profundamente.
Depois, sumiu, com o por do sol.
Nunca
Nunca deixe que o mundo dos adultos
Apague de seu coração, a criança que existe em você.

 

 

OLHOS INFANTIS

Mifori

Nos olhos, espelho da alma,
de uma criança que chora,
atenção e muita calma,
preocupações desde outrora.

Se retratam seus olhares
dor a pedir compaixão,
nota-se carência em lares.
- É triste a desilusão!

Tão infantis e inocentes
são os olhares das crianças,
quando vivem contentes,
no amor, em paz, nas lembranças.

Pensamento: Os olhos infantis pedem em seus olhares a atenção de todos, para juntos sorrirem!(Mifori: 25.01.2015)

 

 

OLHOS INFANTIS
José Verdasca

No olhar de uma criança, tudo balança
E, de acordo com a ocasião, vemos Inverno ou Verão
Os olhos infantis, perfeito espelho de sua alma
São instáveis como aquela, que muda a todo o momento
Como a direção do vento, ou a coreografia da dança
Mutantes e ou constantes, ao sabor do trovão
Do temporal, ou da bonança que acalma
Para a criança poupar do sofrimento

Olhos infantis, que riqueza de expressões
Que vão do sofrimento à euforia
Na criança tudo é permitido
Entre o instinto e a racionalidade
É a idade de sonhos e ilusões
Da dependência, mas também da rebeldia
Que pode não ter qualquer sentido
Porque isso é próprio da sua idade

 

 

TRISTE OLHAR
Eugénio de Sá

Olhos fundos de tristeza
são os daquele menino
que sofre a tanta rudeza
que herdou do seu destino

 

 

Edição Walkyria Garcia
Adaptado por Mara Pontes

 

:::VOLTAR:::